Sidney Poitier, primeiro ator negro a ganhar o Oscar morre aos 94 anos

Sidney Poitier, cujo porte elegante e personagens na tela com princípios o tornaram a primeira estrela negra do cinema de Hollywood e o primeiro negro a ganhar o Oscar de melhor ator, morreu nesta sexta-feira (7). Ele tinha 94 anos. Clint Watson, secretário de imprensa do primeiro-ministro das Bahamas, confirmou que Poitier morreu na noite de quinta-feira.  Poitier superou um passado pobre nas Bahamas e suavizou seu forte sotaque da ilha para chegar ao topo de sua profissão em uma época em que papéis proeminentes para atores negros eram raros.

Ele ganhou o Oscar por “Uma Voz na Sombras”, em 1963, no qual interpretou um trabalhador itinerante que ajuda um grupo de freiras brancas a construir uma capela.

Muitos de seus filmes mais conhecidos exploraram as tensões raciais enquanto os americanos lutavam contra as mudanças sociais provocadas pelo movimento dos direitos civis.

Só em 1967, ele apareceu como um detetive da Filadélfia lutando contra o preconceito na pequena cidade do Mississippi em “No Calor da Noite” e um médico que conquistou os pais céticos de sua noiva em “Adivinhe Quem Vem para Jantar”.

Sidney Poitier em cena

Os filmes de Poitier lutaram para serem distribuídos no Sul dos EUA, e sua escolha de papéis se limitou ao que os estúdios dirigidos por brancos produziriam. Os tabus raciais, por exemplo, o excluíam da maioria dos papéis românticos.

Mas seus papéis dignos ajudaram o público das décadas de 1950 e 1960 a imaginar os negros não apenas como servos, mas como médicos, professores e detetives.

Ao mesmo tempo, como o único negro protagonista da Hollywood dos anos 1960, ele foi submetido a um tremendo escrutínio. Ele era frequentemente saudado como um símbolo nobre de sua raça e suportou as críticas de alguns negros que diziam que ele os traíra assumindo papéis higienizados e servindo aos brancos.

Poitier foi um ator carismático

Ele se recusou a assumir papéis que considerava degradantes

O primeiro filme de Poitier foi “O Ódio É Cego”, de 1950, um filme noir no qual ele interpretou um jovem médico que deve tratar um paciente racista. Isso levou a papéis cada vez mais proeminentes como um reverendo no drama do apartheid “Os Deserdados”, um estudante problemático em “Sementes de Violência” e um prisioneiro fugitivo em “Acorrentados”, no qual ele e Tony Curtis foram algemados e forçado a conviver para sobreviver. Com aquele filme de 1958, Poitier se tornou o primeiro negro a ser indicado ao Oscar.
O primeiro Oscar de um ator negro

Um ano como nenhum outro

Então veio 1967, um dos anos mais notáveis que qualquer estrela de Hollywood teve antes ou depois. Poitier estrelou três filmes de alto perfil, começando com “Ao Mestre com Carinho”, um drama britânico sobre um professor idealista que deve conquistar adolescentes rebeldes em uma difícil escola do leste de Londres. A essa altura, Poitier estava tirando US$ 1 milhão por filme, e os cineastas não tinham certeza se teriam condições de contratá-lo. Então, eles fecharam um acordo para pagar a escala de ator – o valor mínimo legal – em troca de uma porcentagem da receita de bilheteria do filme. Embora comum em Hollywood hoje, era uma ideia radical na época – e inteligente para Poitier. “Ao Mestre, com Carinho” se tornou um grande sucesso. A Film Society of Lincoln Center concedeu seu maior prêmio a Poitier em 2011. Entre os palestrantes que o elogiaram estava o cineasta Quentin Tarantino, que disse: “Na história do cinema, houve apenas alguns atores que, uma vez que ganharam reconhecimento, sua influência mudou para sempre a forma de arte.”

O Oscar de Sidney Poitier pelo filme de 1963 “Lilies of the Field” fez dele o primeiro artista negro a ganhar na categoria de melhor ator. Ele ganhou destaque quando o movimento pelos direitos civis estava começando a progredir nos Estados Unidos.

Sidney Poitier, cuja representação de heróis decididos em filmes como “To Sir With Love”, “No Calor da Noite” e “Guess Who’s Coming to Dinner” o estabeleceu como o primeiro ídolo negro de matinê de Hollywood e ajudou a abrir as portas para atores negros na indústria cinematográfica, morreu na noite de quinta-feira em sua casa em Los Angeles. Ele tinha 94 anos. 

Embora muitas vezes fervilhe de raiva reprimida, seus personagens responderam à injustiça com uma determinação silenciosa. Eles encontraram o ódio com razão e perdão, enviando uma mensagem tranquilizadora para o público branco e expondo Poitier ao ataque como um tio Tom quando o movimento pelos direitos civis tomou uma direção mais militante no final dos anos 1960.

 

 THE NEW YORK TIMES

Fontes: The New York Times, G1, CNN

Clássica sequência de “Ao Mestre com Carinho”

<