José Santa Cruz, ator, dublador e comediante de sucesso fez 93 anos.

O ator, comediante e dublador José Santa Cruz é um dos artistas brasileiros mais antigos na ativa. Completou ontem, dia 14 de março, 93 anos. No rádio desde a década de 1940, ele deixou a sua marca no cinema e  conquistou o Brasil na televisão, especialmente, nos programas humorísticos. É também um dos dubladores mais requisitados do país.

Santa Cruz nasceu em Picuí, na Paraíba, em 14 de março de 1929. Morando em Campina Grande, o artista começou na Rádio Cariri, em 1948, onde trabalhou como locutor. Divertia-se ao declarar que tinha vergonha em dizer o nome da cidade natal, pois segundo ele, ninguém conhecia. Competente comunicador, fez de tudo no rádio. Na dublagem é conhecido por dar a voz aos personagens “Magneto”  (X-Men) tanto nos filmes como no desenho “X-Men Evolution”, Rúbeo Hagrid, na saga Harry Potter, J. Jonah Jameson, nos Filmes do Homem Aranha de Sam Raimi, repetindo o papel no desenho homônimo, e Dino da Silva Sauro, em  Família Dinossauro.
Na comédia já arrancou muitas gargalhadas. Como esquecer o seu personagem Jojoca?

José, em 1959, com a esposa e o filho Eduardo

Da Paraíba para o estrelato em Recife

De Picuí, mudou-se para João Pessoa, onde teve o primeiro contato com o teatro, ainda na escola. Depois de trabalhar na Rádio Tabajara (PB), mudou-se para Recife, onde passou pela Rádio Clube de Pernambuco e Rádio Jornal do Comércio, e foi nesta época que começou a trabalhar também como rádio ator.

Foi em 1949 que ele ingressou como locutor e narrador na Rádio Clube de Pernambuco, onde seguiu carreira por alguns anos.
 

Entre as atrações que participou na emissora, estão programas exibidos nas tardes de sábado, como “Fim de Semana” (1950), com Uchôa Cavalcanti, “Clube da Bossa” (1950), com Uchôa Cavalcanti, entre outros.

Além disso, também atuou nos programas “Girafa Vai à Sua Casa!” (1952), no qual dirigiu e apresentou, “Festival à Meia-Luz” (1952),  “Rádio Shorts Regina” (1954), “Romance Matuto” (1954), entre outros.
 

Na emissora também foi responsável pela fundação da Revistinha Infantil, que trazia crianças para a rádio, e criava-se programas com as mesmas.

Em 1951 se tornou produtor na emissora. Entre outros, produziu os programas: “Dona Pinóia e Seus Brotinhos” (1951), ao lado Chico Anysio, o quadro humorístico “A Noite é Nossa” no programa “O Amigo do Bonifácio” (1953), “Cine Cata Pulga” (1953), programa humorístico, “Agência Paty e Chuly” (1953), com parceria com Nelson Porto, “Serenata” (1953), programa de todas as segundas. Sua capacidade criativa sempre foi notória.
                            

Manuel Rodrigues, José Santa Cruz (como Bombinha), Torres Filho e Mercedes Del Prado (minha avó)

Com Mercedes Del Prado

Em 1953, também produziu o quadro humorístico “Pensão Paraíso” (1953-55), charge diária de 10 minutos exibida no programa Revista da Cidade, aonde também interpretava o endiabrado garoto Bombinha, um de seus trabalhos mais conhecidos na época, quadro esse que mais tarde viraria programa na TV Rádio Clube de Recife em 1959, também com a atuação de Santa Cruz. Nessa mesma emissora trabalhou  ao lado de Mercedes Del Prado (minha avó), que pouco tempo depois deu vida à “Felomena“, a muié do famoso Coronel Ludugero. Del Prado e Santa Cruz foram amigos.

Também produziu outras atrações na emissora, como o quadro humorístico semanal “O Amigo do Bonifácio” (1953), “A Voz da Saudade” (1953), programa saudosista de música, “Aquarela Eucalol”(1954), “Sete Dias em Trinta Minutos” (1954-55), “O Que Se Diz… O Que Se Pensa” (1955), “Poemas e Canções” (1956), além de outras criações. 
Em 1952, além de ter atuado, ter brilhado como apresentador e produtor na rádio, tornou-se o locutor chefe da emissora.
Mauro Lúcio, Agildo Ribeiro e José Santa Cruz

Seu Jojoca

José Santa Cruz já era um artista popular do rádio pernambucano, tendo seu próprio programa e contando com convidados como Oscarito Chico Anysio. E foi no rádio que ele criou o seu famoso Jojoca (em 1954), personagem que o acompanhou ao longo de toda a sua carreira.
 
O sucesso de José Santa Cruz chamou a atenção dos produtores do Sudeste. Em 1962 ele foi para São Paulo, contratado pela TV Tupi, e no ano seguinte, iniciou uma bem sucedida carreira na TV carioca.
 

Santa Cruz levou o seu Jojoca para programas como “Beco Sem Saída” e “A E I O Urca”, ambos de 1963. E foi em A E I O Urca que surgiu a parceria com o comediante Lúcio Mauro (seu antigo colega da TV Rádio Clube de Recife), que também durou muitos anos. Migrando para o sudeste, trabalhou nos humorísticos “Balança mas não cai”, “A Praça é Nossa” e “Zorra Total”, como Barbosa, que sempre era humilhado no Metrô. O seu personagem mais conhecido foi Jojoca, que repetia para as mulheres tudo o que Zé das Mulheres (Lúcio Mauro) falava. Na dublagem é conhecido por dar a voz aos personagens “Magneto” em X-Men tanto nos filmes como no desenho “X-Men Evolution”, Rúbeo Hagrid na saga Harry Potter, J. Jonah Jameson nos Filmes do Homem Aranha de Sam Raimi, repetindo o papel no desenho homônimo, e Dino da Silva Sauro em Família Dinossauro.

A Praça é Nossa (SBT)

Curiosidades

 
O antológico personagem Jojoca, que foi criado para o programa “Beco Sem Saída”, em 1954 para a Rádio Tamandaré, e também teve aparição na TV Rádio Clube, chegou ao Rio nas mãos de Oscarito, que não aceitou o papel por achar um personagem muito difícil de se fazer, por ter muitos trejeitos. Um tempo depois, Santa Cruz  o interpreta no lugar de Oscarito, e o populariza nacionalmente.

Fontes: memoriascinematograficas.com.br/ G1 / Revista Quem / Blog Elenco Brasileiro.

<