Ela também começou a vida com simplicidade, nasceu em uma família humilde e estudou até a quarta série. Seus pais não possuíam muitos recursos, mas souberam educar Hebe Camargo com muito amor. Fêgo Camargo, pai da verdadeira rainha das comunicações, ganhava dinheiro tocando violino em sessões de filmes. Era conhecido como o maestro de Taubaté.  Com a chegada do cinema falado, sem ter como trabalhar, partiu com a mulher e os sete filhos para São Paulo. Com apenas 12 anos, Hebe já se apresentava em programa de calouros vestida de Carmen Miranda, a veia artística pulsava dentro dela. Ao lado da irmã e das primas participou do grupo “Dó-Ré-Mi-Fá” que durou três anos, e tempos depois, formou a dupla “Rosalinda e Florisbela”, com sua irmã Stela.

Hebe com os pais Fêgo e Ester Camargo


Muita gente amou, se apaixonou pela Hebe apresentadora, entretanto, a loiraça também agradou boa parte dos consumidores de discos como cantora. Sua voz era afinada e transmitia toda sentimentalidade que as letras repletas de amor ou dor exigiam de suas cordas vocais. Trabalhou no cinema, gravou alguns “bolachões” e foi a grande apresentadora, reconhecida dama da TV brasileira. Como definir uma artista multitalentosa? Podemos afirmar que ela era autêntica, pioneira, inteligente, sensível e era uma “gracinha”. Nascida em 8 de março de 1929, e natural de Taubaté (interior de São Paulo), iniciou sua carreira nos anos 40, cantando ao lado da irmã no grupo Dó-Ré-Mi-Fá.

Hebe, ainda morena, cantando e conquistando fãs


Hebe Camargo estreou no disco em 1950, gravando sambas. Apesar do sucesso com a música, logo descobriu uma paixão que mudaria os rumos de sua carreira: a TV, veículo no qual atuou durante 60 anos. Ela se transformou em um ícone da telinha e fonte de inspiração para os profissionais de
 comunicaçãoHebe estava presente à cerimônia que marcou a chegada da televisão ao País, nos anos 50, ao lado de Assis Chateaubriand, e acabou nomeada madrinha da nova mídia. Ela iniciou sua carreira televisiva ao substituir Ary Barroso na apresentação de um programa de calouros. Em pouco tempo, Hebe ganhou seu próprio espaço, “O mundo é das mulheres”, primeiro programa feminino da TV brasileira. Conseguiu conduzir de forma ímpar suas entrevistas nas emissoras pelas quais passou, sobretudo, pela magnífica capacidade de deixar seus convidados bem relaxados no seu famoso sofá. 

Em 1954 fazia grande sucesso no rádio. Na foto com Inezita Barroso

 

Datas e eventos importantes na carreira da apresentadora:

1940 – Aos 11 anos de idade, formou, ao lado da irmã Stella, a dupla caipira Rosalinda e Florisbela. O sonho delas era fazer sucesso no rádio. Anos depois, formou o quarteto Dó-Ré-Mi-Fá, contratado pela rádio Tupi.

1945 – Hebe grava seu primeiro disco, aos 16 anos. O 78 RPM (78 rotações por minuto) tinha duas músicas: “Oh! José” e “Quem Foi que disse”. Nesse período ela era chamada “A moreninha do Samba”.

Primeiro disco de Hebe (1945), pela Odeon. 78 RPM

 

1949 – Nove anos depois, Hebe estreia nos cinemas através do filme “Quase no Céu, de Oduvaldo Vianna.

1950 – É convidada por Assis Chateaubriand para a inauguração da TV Tupi. Logo depois, estrearia no “TV na Taba”, programa que marcou por ter sido um dos primeiros nas transmissões de televisão no país.

1955 – Estreia como apresentadora no programa “O Mundo é das Mulheres”, na TV Carioca.

1957 – Hebe tinge os cabelos e vira loira. Ficou um arraso! Ela manteve os cabelos castanhos durante a juventude e tingiu de loiro nesse ano, depois, nunca mais mudou.

1961 – Lança o disco “Hebe Comanda o Espetáculo”. Já fazendo grande sucesso como apresentadora, ela grava o álbum pela Odeon, ao estilo de seu programa com sofá. Recebe artistas com alta popularidade à época, entre eles, Tony e Celly Campello. No trabalho fonográfico conversa rapidamente e os coloca para cantar. Hebe interpreta seis canções. O LP é muito peculiar. 

LP Hebe Comanda o Espetáculo (1961), gravadora Odeon


1963 – Lança o disco “Hebe e vocês”.

1964 – Lança o disco “Hebe”. Em julho, casa-se com o empresário Décio Capuano. O relacionamento terminou em 1971.

1965 – Lança o disco “Hebe 65”. Em 20 de setembro, nasce seu único filho, Marcello Camargo.

Hebe com seu filho Marcello Camargo


1965 – Estreia o programa “Hebe” na TV Record, que dá espaço à Jovem Guarda e conta com a presença do músico Caçulinha.

1968 – Ao lado do comediante Ronald Golias e Nair Belo, atua em Romeu e Julieta, na Record, uma série de teleteatro inspirada na grande obra da literatura. 

1969 – Hebe Camargo entrevista o astronauta Neil Armstrong, três meses depois de sua viagem à Lua.

1970 – Como Magali, faz parte do elenco da novela “As Pupilas do Senhor Reitor”, da Record.

1973 – Casa-se com Lélio Ravagnani. Os dois ficam juntos até a morte do empresário, em 2000.

1978 – Faz uma participação especial na novela “O Profeta”, da TV Tupi.

1979 – Estreia o programa “Hebe” na Bandeirantes, que dura até 1985.

1980 – Participa de um dos capítulos de “Cavalo Amarelo”, novela da Band.

1986 – Começa sua relação mais duradoura com uma emissora. A convite de Silvio Santos, estreia o programa “Hebe”, no dia 4 de abril. Recebeu grandes personalidades da música, cinema, esportes, TV e política em seu sofá. 

Estreia do Programa Hebe, no SBT (1986)

1990 – Desta vez no SBT, participa do remake do humorístico “Romeu e Julieta”, novamente com Ronald Golias.


Em mais de 60 anos de história na televisão brasileira, a apresentadora tinha um estilo próprio de entrevistar as pessoas. Ela se tornou popular com a expressão “gracinha”, usada para elogiar convidados. Outra marca registrada dela era dar selinhos nos entrevistados que passavam por seu famoso sofá. 
Nunca se viu uma apresentadora tão simpática e versátil. Hebe Camargo morreu em 2012, em São Paulo, aos 83 anos, após lutar contra um câncer. Ela chegou a assinar contrato para voltar ao SBT na semana em que morreu. Nos deixou com 83 anos.

O desejo de Hebe Camargo

 

Hebe – Especial 30 Anos SBT

 

 

<